Montanha

Montanha

Queimadas vão devastando tudo
Só barram tardiamente
Lágrimas não são mais suficientes
A indiferença tomou conta da gente.

Céu azul vibra vividamente
Morte em uma terra superaquecida
Existe falta d’água
A beleza não mais se vê.

Tanto faz que horas são
A destruição sempre tem hora marcada
A nossa ganância é como um rolo compressor
Quando menos se esperar, pagaremos o preço.

Vivo na tristeza
Nas alucinações
No dia e noite que sou sufocado
Impedido de ver o que precisa ser visto.

Altas são as montanhas elevando suas orações
Na esperança de conter a fome insaciável do homem
Aguardando o nascimento de um novo dia
E isso vale cada sacrifício exigido por essa luta.

Medo
Misturado a momentos de esperança
De um esperar torturador
De quando veremos o céu azul novamente.

Distante do próprio coração
Das lágrimas que secaram
Do ódio que tomou o lugar do amor
Da vida que morre.

No fundo da alma
Quem sabe nos encontraremos
Para confraternizarmos
Celebrando o dia da verdade que se faz necessário

Em meio ao calor das meias que esquentam os pés
Do frio que assola a noite
De muitas vidas indigentes
Sabemos o que precisamos saber.


Luta
Destino
Um abraço negado
Das vidas que foram passando.

Subo a montanha íngreme
Vencendo as dificuldades de uma vida inteira
Desconhecimento é o provoca as queimadas
Que devasta a história de toda uma vida.

Tudo se repete
Fazendo tudo voltar
Constantemente
No sofrimento que se renova.

Bem e mal
Sincronicidades
Desejos insaciáveis
Vida que depende da fome do querer

Vislumbro o caminho
Posso ver a montanha
Me prostro aos seus pés
Formosura e altura me apequenam.

Nos pés da montanha revivo o respeito
Provocado por uma submissão transcendental
Das vozes que ouço
Descendo a montanha
Que se torna provocante.

O engano pede por mais engano
Submeto os meus desejos
A um pacto de amor involuntário
Que não é mais amor.

Liberdade
Prisão
Amor
Desejos de jogos sexuais.

Tudo
Nada
Talvez
Talvez sejam delírios outra vez.

Lucidez
Conflito entendido provoca lucidez
Desfazendo todo o mal pela raiz
Descontinuando o que insistia em continuar.

Perturbador
A épica luta do homem contra Deus e o diabo
Da luta do homem contra si e as instituições opressoras
Mudar é preciso
Reconquistar é direito.

Liberdade
É grito ancestral do homem
Vida acorrentada a tudo o que é mesquinho
Quanto vale viver essa vida?

Tantas são as coisas que precisam ser resolvidas
Tantas vidas desperdiçadas
Não existe um viver plenamente feliz
O que precisa existir são vidas engajadas plenamente, buscando serem felizes.

Migalhas de prosperidade
Essa é a escolha
Ser ético é nossa obrigação
Basta de molecagem.

Lá no campo devastado
Existe uma luz
Que ilumina intensamente qualquer noite escura
É lá que se pode encontrar a solução.

Na montanha íngreme
Pela queimada que provocou tantas mortes
Mas, nem tudo é dor e ressentimento
É, também, a possibilidade de transformação da dor e do ressentimento em alegria.

Dificuldades nos campos por conta das queimadas
Lágrimas que não sentem mais nada
Tudo como fruto do constante medo
Amorosa, continua sendo a solidão.

Montanha 

Queimadas vão devastando tudo 
Só barram tardiamente
Lágrimas não são mais suficientes
A indiferença tomou conta da gente.
Foto por Ozan u00c7ulha em Pexels.com

3 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.